Uma marca não é um logo, é tudo o que ela representa e faz as pessoas sentirem.

É muito comum quando alguém vai investir numa marca colocar seus gostos pessoais como pilares de construção. Não que seja um problema. Mas isso não pode ser maior do que a estratégia da marca em si.

Uma marca precisa ter VOZ própria, personalidade, identidade e estratégia. Existe um público, existe um segmento. Mas existe muito mais do que isso: que sensações ela precisa despertar? Que história ela conta? O que ela representa? Como construir isso?

Construir uma marca de forma séria exige fazer muitas perguntas que vão além do: que cor você gosta?

Tudo é minimamente pensado. Não se trata apenas de cor, tipologia, símbolos (até porque resumir a isso é falar apenas de identidade visual e MARCA é muito mais do que uma identidade)... se trata das emoções, das conexões, sensações, de cada mínimo detalhe.

Definir a sua marca a partir e exclusivamente de gostos pessoais não se sustenta.

Marca é coisa seríssima. É o ponto de partida para tudo. Gera percepção de valor, vai dar base para tudo que for construído. Traz movimentos, emoção... Pode conectar ou não, a marca é o começo de uma história. Nem sempre essa história será apenas sobre você.